Voltar para a tela anterior.

IGP de Caxias pode estar perto de realizar exame de funcionalidade da arma


Nova Diretora-geral do IGP, Heloisa Kuser, conversou com lideranças na Câmara Municipal sobre projeto para agilizar retorno de exames periciais da Serra Gaúcha


A nova diretora-geral do Instituto-Geral de Perícias, Heloisa Helena Kuser, fez uma visita à 2ª Coordenadoria Regional de Perícias, com sede em Caxias do Sul, nesta quarta-feira (16). Ela aproveitou a oportunidade para conversar sobre projeto de descentralização do posto no município, uma iniciativa da Comissão Temporária Especial para o Enfrentamento da Violência da Câmara Municipal, em parceria com o Movimento Avança Brasil, que tem o objetivo de dar agilidade às investigações criminais e diminuir a impunidade na cidade e região. A diretora foi recebida pelos vereadores da Comissão, Paula Ioris/PSDB, presidente, e Gustavo Toigo/PDT, pelo delegado regional da Polícia Civil Paulo Rosa da Silva, pelos integrantes do Movimento Avança Brasil Ely Scalabrim e Gilberto Zago. Acompanharam Heloisa, vindos do IGP de Caxias, o coordenador Airton Kraemer, o perito criminal Luis Adalberto Teixeira e a fotógrafa criminal Valéria Canterle.

Atualmente, a maioria dos exames periciais, tais como balística, exames de laboratório em material biológico, confronto de impressões digitais e exames químicos de todos os crimes cometidos em 55 municípios da região, são realizados em Porto Alegre. A realidade atual gera atrasos nas investigações criminais e eleva o custo para o Estado em decorrência da necessidade de estabelecer uma logística para levar e trazer os materiais a serem analisados. Entretanto, o maior prejuízo é imaterial, porque a ausência de provas afeta diretamente a vida de pessoas envolvidas em tais processos, na qual a conclusão e desfecho do fato ocorrido dependem sempre da conclusão do laudo pericial para posterior prosseguimento das demais etapas legais e exigíveis em lei.

A diretora reconheceu a importância do projeto e se colocou à disposição para ajudar.

Preocupados com o custo e para agilizar o processo, as lideranças chegaram à conclusão que a descentralização pode iniciar com o exame de funcionalidade da arma, um procedimento que não envolveria grandes investimentos financeiros e que não exige treinamentos, nem a contratação de mais servidores, podendo ser feito pelos atuais servidores. Esse exame será realizado em espaço livre na nova delegacia da Polícia Civil em Caxias.

Segundo delegado Paulo, a primeira necessidade é conseguir, com a Prefeitura, o Habite-se, e posteriormente derrubar uma parede. Um engenheiro civil, voluntário do Clube de Tiro, fará o projeto sem custo a pedido do Avança Brasil. Ao Movimento também cabe a busca de recursos para deixar o espaço em condições para a execução do trabalho.

"Saímos animados que o projeto está ganhando vida pela relevância que o assunto tem. Fiquei confiante porque a nova diretora é caxiense e entende a dimensão da cidade e da região. A nossa criminalidade é alta e não tem sentido centralizar os exames em Porto Alegre. Levar cinco anos para retornar um exame de balística além de desumano é um atestado de ineficiência para o Estado. Estamos começando devagar com um exame mais simples, mas nosso potencial é imenso. O IGP está dentro da UCS, com laboratórios de extrema qualidade, por que não avançar e fazer parcerias tornando a cidade uma referência nessa área criminal? Seria bom para a UCS e bom para todos os gaúchos", opinou a vereadora Paula Ioris.

17/05/2018 - 09:47
Gabinete da Vereadora Paula Ioris/PSDB
Câmara Municipal de Caxias do Sul

As matérias publicadas neste espaço são de total responsabilidade dos gabinetes dos vereadores.

Ir para o topo