Voltar para a tela anterior.

Adiló Didomenico fala sobre politicagem na Codeca


Da tribuna, petebista também se pronunciou sobre polêmica de ambientalistas e dois projetos de poda de árvores


A preocupação de que interesses políticos do Executivo prevaleçam na escolha de cargos em comissão (CCs) da Companhia de Desenvolvimento de Caxias do Sul (Codeca) foi levada a plenário nesta quinta-feira (13/07) pelo vereador Adiló Didomenico/PTB. No grande expediente da Câmara Municipal, o petebista também tratou de polêmica e de dois projetos seus sobre poda de árvores.
Para ingressar no tema sobre a Codeca, o parlamentar se pronunciou sobre suspeita de nepotismo pelo fato da esposa do vereador Renato Nunes/PR, Cristiane Nunes, assumir cargo de assessora administrativa organizacional na autarquia. Na avaliação de Adiló, o caso demonstra interferência política da administração municipal na Codeca.
Conforme o vereador, ele tem informações de que antigos FGs sofrem pressão para sair e de que a direção da Codeca tem agido para evitar politicagem no quadro funcional. O petebista ressaltou que muitos CCs da administração anterior têm competência e que a autarquia é pública, portanto, não pode ter dono ou funcionar como empresa privada.
Em aparte, Renato Nunes se defendeu, alegando que tanto ele quanto a esposa enviaram currículos buscando cargo no Executivo, conforme exigência do prefeito. Segundo Nunes, Cristiane não passou em uma primeira seleção, mas agora, por se enquadrar no perfil exigido para a função, foi chamada. Destacando que é presidente do partido e vereador, o republicano desafiou quem prove que houve indicação para beneficiar a esposa. Disse ainda que na gestão de Néspolo é que houve nepotismo.
O outro assunto de Adiló Didomenico foi a poda de árvores. O parlamentar disse que novamente há polêmica levantada por ambientalistas sobre poda, mas os criticou por não participarem de debates de projetos de lei sobre o tema. Destacou que ocorre massacre ambiental na implantação de loteamentos, causando erosão, o que não gera manifestações de ambientalistas e ONGs.
Adiló Didomenico informou sobre seu projeto em trâmite na Casa, que prevê licenciamento e compensação por parte de urbanizadoras, contanto que elas abram ruas com pavimentação. Pela proposição, quando aprovar projeto de sua casa na prefeitura mediante apresentação da guia de transporte de madeira, o proprietário poderá fazer a supressão de árvores. Por outro lado, as decorativas e frutíferas poderão ser preservadas.
O outro projeto do petebista se refere à fiação de energia elétrica, disciplinando loteamentos para colocarem os cabos nas posições norte, nordeste, sudeste, sul e leste. Isso proporcionaria aos moradores maior aproveitamento do sol. Por outro lado, a arborização seria feita nas posições oeste, noroeste e sudeste, onde não haveria a fiação. Por isso, seria desnecessária a poda por parte da RGE ou empreiteiras, muitas vezes feita de forma drástica, aleijando as árvores.
 

13/07/2017 - 11:56
Assessoria de Imprensa
Câmara Municipal de Caxias do Sul

Editor(a) e Redator(a): Clever Moreira - 8697

Ir para o topo