Voltar para a tela anterior.

Vereador Paulo Perico trata da visita realizada à Maesa


O parlamentar relatou as condições precárias dos prédios e a utilização das construções pela Voges


Uma visita realizada à Metalúrgica Abramo Eberle (Maesa), pela Comissão de Educação da Câmara Municipal e pelos vereadores da Frente Parlamentar A Maesa é Nossa, foi tema do pronunciamento do vereador Paulo Perico/MDB, na sessão ordinária desta terça-feira (10/07). Participaram, ainda, da visita o titular da Secretaria Municipal da Cultura (SMC), Joelmir da Silva Neto, e representantes da Divisão de Proteção ao Patrimônio Histórico (DIPPAHC) e do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural (COMPAHC). O objetivo foi verificar as reais condições do local. Perico preside a Comissão de Educação.

Segundo Perico, uma parte da MAESA é ocupada pela empresa Voges. Disse que o acordo da empresa com o município vai até o dia 31 de julho. A partir dessa data, a Voges deveria se retirar do local e entregar a área, de forma definitiva, para Caxias do Sul. “Porém, isso não deverá se realizar, já que a Voges não está tendo nenhuma ação que demostre sua saída, até o prazo estabelecido”, observou o emedebista.

Outra preocupação do parlamentar é que moradores dos prédios vizinhos à Maesa relataram a deterioração dos telhados da área que o município ainda não recebeu. Além disso, um dos prédios está ocupado por materiais dos antigos carnavais e de carros alegóricos da Festa da Uva. O vereador contou que o secretário já pediu para algumas entidades retirarem o material do local.

Mais um relato do parlamentar é de que um dos locais, já entregues pela Voges, é usado como depósito, para resíduos da empresa, sendo que ela não tem mais o direito de utilização do prédio. Ele ainda mostrou que há marquise que corre o risco de cair, e o local está sinalizado por uma placa.

A Voges também não está pagando o aluguel de R$ 12.000,00 por mês, a dívida total gira em torno de R$ 100.000,00, afirmou Paulo Perico. “Esse aluguel daria condições para que, no mínimo, a Prefeitura pudesse fazer pequenas intervenções”, sugeriu.

O vereador Edson da Rosa/MDB destacou que esperava pela apresentação de um planejamento estratégico, para as ações que serão tomadas, mas que isso não aconteceu. Ele lembra que Caxias do Sul vive a discussão sobre o Plano Diretor e precisa saber dos impactos sobre a Maesa. “As secretarias municipais precisam conversar entre si”, salientou.

Para a vereadora Paula Ioris/PSDB, a justificativa de que tudo é demorado, pois o local está tombado historicamente, mas que não está parado, chamou a atenção. A vereadora enfatizou que isso contrasta muito com o que foi visto. Conforme ela, não há indícios de que algo, realmente, esteja sendo feito no local. O vereador Adiló Didomenico/PTB ressaltou a importância da visita e alertou que é preciso ter calma e fazer o que for possível, via Câmara de Vereadores e Prefeitura.

A comissão e a frente parlamentar fizeram a proposta para que a Câmara Municipal e a União das Associações de Bairros (UAB) retornassem à Comissão Especial de Ocupação da Maesa. Além disso, sugeriram a reunião das duas comissões com o Conselho Municipal de Cultura e a UAB, a fim de retomarem a análise do projeto de ocupação, apresentado em 2015/2016.

10/07/2018 - 16:21
Assessoria de Imprensa
Câmara Municipal de Caxias do Sul

Editor(a): Fábio Rausch - MTE 13.707
Redator(a): Franciele Masochi Lorenzett

Ir para o topo