Voltar para a tela anterior.

Líderes debatem aposentadorias, segurança e novo empreendimento


Questionada responsabilidade por outdoor apócrifo com fotos de parlamentares


O  vereador Renato Oliveira/PCdoB abriu o espaço destinado às declarações de líder na sessão ordinária desta quinta-feira (5/10) repercutindo impactos de novas leis que afetam os trabalhadores. Criticou projeção feita pelo Planalto que, levando em conta o aumento da expectativa de vida das pessoas para 150 anos, já se avalia a elevação da idade mínima para aposentadoria no Brasil. A nota revela disposição do governo de  logo aumentar a idade mínima para a aposentadoria, para 70, 80 e até 100 anos.

O comunista manifestou também sua contrariedade com a aprovação de projeto de lei relatado pelo senador Lasier Martins que, na sua avaliação, acaba com a estabilidade do funcionário público. Com a exigência de cláusulas de desempenho para os trabalhadores, a proposta aprovada afetará o funcionalismo da União, Estado e municípios. Saudou a aparição, finalmente, do SINDISERV, nesta luta cujo desfecho afeta servidores públicos. E manifestou sua preocupação ante o anúncio de greve dos policiais civis do RS.

Em aparte, a vereadora Paula Ioris/PSDB alertou para as dificuldades financeiras e a necessária busca de soluções capazes de garantir recursos e assegurar pagamento de salários diante da crise instalada. Até a Prefeitura de Porto Alegre já parcela os salários.

Como líder do PTB, o vereador Adiló Didomenico retrucou a fala do vereador Renato Nunes/PRB, diante das insinuações de que pretendia ensinar como se deve administrar a CODECA. Adiló recordou sua passagem como presidente da Companhia, que exerceu com autonomia e espírito de equipe, avalizado pelo prefeito Sartori. Assim também atuou na Secretaria de Obras. Entende como dever do vereador, fiscalizar a administração. Revelou preocupação com o desempenho da CODECA, cujas projeções apontam dificuldades até para honrar os salários.

O petebista considera mais grave ainda o processo de desmonte da máquina pública, resultado de um patrulhamento ideológico jamais visto. Denunciou perseguição, cerceamento ao exercício da atividade do Poder Legislativo e do direito de expressão do próprio cidadão que ousar discordar dos atos da atual administração, que governa com o apoio de uma rede social contratada, utilizando software-robô que multiplica fakes.

Apontou exemplos de organização desta rede, que silencia diante de temas espinhosos, como de multa da APAE e do episódio do lixo a céu aberto no aterro sanitário, mas que entra em ação quando lhe interessa, caso ocorrido na desconstituição da Visate, do vice Fabris, dos médicos, entre outros. O parlamentar informou que o PTB vai à Justiça para saber quem pagou a despesa, comprovada com exibição da nota fiscal, da confecção do outdoor que utiliza fotos de vereadores que votaram a favor da admissibilidade do segundo pedido de impeachment recentemente votado pela Câmara. De acordo com a legislação, segundo Adiló, o outdoor não pode ser apócrifo.

A vereadora Paula Ioris repercutiu sua participação e do vereador Rodrigo Beltrão/PT  no encontro dos Conselhos das Comunidades, Seminário de Segurança Pública e Sistema Prisional, realizado quarta-feira (4) na CIC. Embora a ausência de setores representantes do estado, a parlamentar destacou a relevância do evento que debateu a crise do sistema prisional, a inserção dos apenados no mercado de trabalho, ações do estado no combate ao crime organizado, o encarceramento em massa, justiça restaurativa, penas alternativas, além da realidade do presídio central e o poder das facções.

A vereadora reforçou a convicção, a partir de palestras e pesquisas apresentadas no evento,  que o grande desafio não é somente aumentar as vagas nos presídios, mas ampliação de vagas em escolas de tempo integral, combater a evasão escolar, atitudes que não podem ser debatidas sob o ponto de vista ideológico. No relatório que apresentou no evento da CIC, Paula apontou a burocracia estatal como grande entrave à intervenção de voluntários e apoiadores de movimentos contra a violência.  

Em apoio à fala de Paula, o líder do PT, vereador Rodrigo Beltrão, chamou a atenção para a  necessidade de se acordar para o tema, realçando para a importância de uma pesquisa acadêmica sobre facções criminosas que atuam no País, de autoria de uma docente gaúcha, e que foi apresentada no evento. O trabalho comprova que o crime organizado substituiu o governo em alguns estados da Federação a partir do Rio de Janeiro. Porto Alegre já convive com esta situação, e o parlamentar percebe que ela está chegando a Caxias do Sul.

A realidade trazida a plenário ensejou aparte do vereador Édio Elói Frizzo/PSB, que mencionou conteúdo de entrevista concedida por um dos líderes do tráfico no País, Marcola, a jornal de São Paulo. Ele descreve como o crime organizado dominou as favelas do Rio e instalando um poder paralelo exercido por diferentes facções.  

A vereadora Gladis Frizzo/PMDB anunciou a chegada a Caxias do Sul de um empreendimento que deverá se instalar na área da Companhia Estadual, de Silos e Armazéns - CESA - localizada às margens da RS 122, no acesso ao Desvio Rizzo. Trata-se da Comercial Zaffari de Cereais, com sede em Passo Fundo, empresa que vai ocupar uma área construída de 10 mil m2 e deverá gerar dois mil empregos diretos em Caxias do Sul.

Para Gladis, a notícia da vinda do empreendimento traz esperança à população por representar perspectiva de recuperação de parte significativa dos empregos perdidos nos últimos anos por Caxias do Sul. Com o objetivo de contribuir na agilização do processo de instalação do empreendimento, a peemedebista pediu audiência com o prefeito Daniel Guerra/PRB.

Em aparte, o vereador Paulo Périco/PMDB aplaudiu os empresários que vão se instalar em Caxias e sugeriu que venham expor seu empreendimento na Câmara Municipal. Informou sobre os resultados positivos da Prefeitura de Flores da Cunha na sua política de atrair empresas, inclusive de Caxias do Sul, onde a administração não está fazendo nada nesta linha. Preocupado com a ausência de eventos na cidade, Périco teme que a Mercopar, única Feira de porte que se realiza em Caxias, seja a última a acontecer aqui. E sugere que Caxias do Sul, pelo seu potencial, assuma o espaço de promotora de eventos ligados ao turismo empresarial.

O aparte do vereador Flávio Cassina/PTB foi para alertar que tramita na Casa projeto de lei que incentiva empresas que agreguem inovação e tecnologia, tanto já instaladas quanto as que vierem a ser atraídas para Caxias do Sul.

05/10/2017 - 13:29
Assessoria de Imprensa
Câmara Municipal de Caxias do Sul

Editor(a) e Redator(a): Clever Moreira - 8697

Ir para o topo