Rafael Bueno cobra explicações sobre situação de pessoas em vulnerabilidade social

"Prefeito Daniel Guerra é cúmplice da morte de cada um dos 24 moradores de rua no ano passado"

O vereador Rafael Bueno (PDT) se manifestou na tribuna do Legislativo na manhã desta quarta-feira (13) e esmiuçou dados referentes a um pedido de informações que fez à Fundação de Assistência Social (FAS) sobre a situação de moradores de rua em Caxias do Sul. Bueno trouxe informações alarmantes. O pedido do parlamentar foi feito após virem à tona imagens de vigilantes contratados pela prefeitura agredindo e humilhando um idoso (Irineu Seibert) no banheiro público da Praça Dante Alighieri nos primeiros dias de janeiro. Segundo os dados enviados ao Legislativo, em 2018 morreram na cidade 24 moradores em situação de vulnerabilidade social, sendo 14 de forma violenta.

"Todo ato que está acontecendo em nossa cidade com os moradores de rua tem as mãos do prefeito Daniel Guerra. Vou exemplificar, em maio de 2016, Caxias do Sul tinha 150 moradores de rua, dados da própria FAS. Agora, em novembro de 2018, são 400 os moradores. Alguma negligência está acontecendo, o crescimento dos números aponta para isso. Isso tem muito a ver porque o prefeito Guerra fechou a Casa Acolhe Caxias, deixou de repassar verbas para outra casa que acolhia moradores, no bairro Reolon, e fechou as cozinhas comunitárias que davam uma refeição diária aos moradores", apontou o pedetista.

Bueno cita, conforme o pedido de informações, que o município dispõe atualmente de 70 vagas para adultos em situações de rua, sendo 40 na Casa de Passagem Carlos Miguel e 30 na Casa São Francisco. Isso é muito pouco e, pior ainda, ressalta, a rede de proteção social no município não tem se comunicado: 

"O Acolhe Caxias, o programa que tinha ali na Rua Ernesto Alves, que foi fechado, atendia pelo menos 50 pessoas em vulnerabilidade social. Essas 50 pessoas tinham mobilidade facilitada, porque ali perto ficava a FAS, o Sine, a rodoviária, um restaurante comunitário, o Postão... O programa foi inaugurado na administração do prefeito Alceu Barbosa Velho (2013-2016), mas de imediato, quando o novo gestor assumiu, o que ele fez? Fechou o Acolhe Caxias." 

O pedetista também apontou números que agravam ainda mais a situação, justamente as mortes violentas em 2018, que chegaram a 14 do total de 24 óbitos. 

"E eu tenho aqui em minhas mãos os nomes e as datas dos óbitos dessas vítimas, a maioria de jovens que perderam a vida devido à negligência do poder público. E o que o Ministério Público está fazendo para acolher essas pessoas? E está chegando o inverno, eu estou levantando esse tema em março, para não dizer lá na frente que a gente não avisou", comentou, dizendo que os moradores de rua precisam de maior atenção do poder público.

13/03/2019 - 15:47
Gabinete do Vereador Rafael Bueno
Câmara Municipal de Caxias do Sul

As matérias publicadas neste espaço são de total responsabilidade dos gabinetes dos vereadores.

Crédito: Gabriela Bento Alves